domingo, agosto 24, 2008

fetiche

Como a seda
Que cobre
Minha estrofe
Tua língua acesa
Se aninha
− precoce −
Em meu poema
E em segredo
Minha rima
escarlate
se abre
Sob os pêlos
Que a renda
ornamenta

5 comentários:

Múcio L Góes disse...

e o verso verte
em escarlate
folha aflora

;)

lindeza de ler.

bjo

Yara disse...

que cor veste
a poesia
que vertes
que despes
personificada?

moacircaetano disse...

Renda e pele e poema...
Belo como Sandra e seus temas!

aline disse...

lingua tecendo poemas.

J.F. de Souza disse...

Eita porra... Adorei esse!