quinta-feira, agosto 21, 2008

porta-retrátil

Hoje faz ontem em mim.
caem do teto
gotas de lembranças.
abro a gaveta,
vejo em slides: dias de Brasília,
numa tardia primavera...
ouço Capital, Legião...
bato a “poeira
escondida pelos cantos...”,
dobro cartas re-lidas,
sinto, saudades em dobro
de vidas a granel.
rostos, vozes antigas,
idas num vento frio...
em copas,
fecho a gaveta,
e nos olhos meus,
noventa e um parece ontem.


este poema é um divisor de mágoas. marcante pelo que representa, retrato de um momento em minha vida que traçou caminhos para sempre.


11 comentários:

Jaque disse...

Esse poema tipo, veio pra mim.
Essa nostalgia que ás vezes inunda nosso espirito. Legião..
Sempre acontece comigo.

Delia disse...

"Tudo que vai, deixa o gosto, deixam as fotos...quanto tempo faz?"

Essas lembranças, as nostalgias que nos tornam o que realmente somos né??

Sandra Regina de Souza disse...

este poema é um rema-dor nas mágoas... e o rio escorre... dos olhos... salgando os lábios. Marcante. bj

Jake disse...

melhor assim, do que não olhar pra trás. Não lembrar, faz esquecer quem somos.

Amei!
Beijo

Cristina disse...

Incrivelmente forte.
Emocionou-me...

Mil beijos, Múcio.

Cristina Loureiro dos Santos

Cristina disse...

Incrivelmente forte.
Emocionou-me...

Mil beijos, Múcio.

Cristina Loureiro dos Santos

J.F. de Souza disse...

"Hoje faz ontem em mim"

Só esse verso já me pegou, me fez submergir no poema, nesse mar de saudade... De uma saudade só tua, sim, mas exposta a nós, mortais, de forma a deixar marcas em todos, mestre Mucius!

(Temos que fundar o fã-clube do Múcio Góes, gente!)

Nadja disse...

O que dizer?
Poemas sempre profundos,sempre!


bjosss

Jake disse...

pois é..Múcio é isso...tem vezes que seu poemas me calam a alma..e eu nem comento...pra não ficar me repetindo..

moacircaetano disse...

Nostalgia, saudade, melancolia...
Ritmo, lirismo...
Tudo que se poderia esperar de um grande poema!

aline disse...

gavetas de memórias
nem sempre é bom abrí-las.

amocê.