quarta-feira, agosto 27, 2008

talvez

um dia talvez eu me despeça
talvez um dia eu resolva
(de uma vez por todas)
que minhas máscaras perderam a graça
que minhas fantasias perderam a cor
e que estive estancada
sendo voyeur de mim mesma
repleta de não
e fingindo amor.

10 comentários:

(l' excessive) disse...

Maravilha de poema!!!
A-do-rei, talvez porque o chapéu tenha me servido...
:o(

moacircaetano disse...

A dor do não quando ele se estabiliza...

Luiz Guilherme Amaral disse...

Não sei onde já vi isso...

Thiago disse...

fingir amor não faz bem. ou ama ou não.

Thiago disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Múcio L Góes disse...

"o poeta é um fingidor..."

:*

(L)

Sandra Regina de Souza disse...

Poema cheio de verdades que talvez fingimos não ver... Belos versos!!! bjs

J.F. de Souza disse...

talvez
ou
talvez não
porque
pra todo talvez
tem sempre um talvez não
não há só o benefício da dúvida
também tem o malefício da decisão
mas tem o talvez
e o talvez não

Marcos Côrtes disse...

O ser humano é o que faz.
É deixar dos planejamentos e dos sonhos e por tudo em atos fa(r)tos.
E fantasiar não faz bem.
Mas sonhar às vezes é tão bom...

Bjs...

Mary disse...

eu tb já vi. :P

e gostei muito!

bjusss