segunda-feira, setembro 14, 2009

Sangue azul*

Ao toque
da caneta
azul
por mágica
no papel
surgem
veias

O poema
pulsa

Há vida

5 comentários:

A czarina das quinquilharias disse...

se der um tapinha, o poema chora?

Talita Prates disse...

É isso ai!
Há de ter sangue pra ter vida.

:)

moacircaetano disse...

assim se nasce!

Rayanne disse...

L-I-N-D-O!!!!

Danado!

**Estrelinhas**

Aline disse...

adorei o comentário da Cza!

show, Jeff!