sábado, setembro 05, 2009

Testemunho

Torpe?
Sim!
Mas... quem há de culpar-me?
Quem há de,
em meio a tanta barbaridade,
disparar o alarme?

Covarde?
Talvez!
Mas penso que é minha vez
de furtar-me aos acontecimentos.
Se sentimentos
não são mais desculpas válidas.
E nossas vidas continuam, esquálidas.

Mal intencionado?
Não.
Apenas levado
pelo andor da multidão
que, ensandecida,
pede por meu sangue
e esquece a própria vida.

Poeta?
Sempre.
Tentando tornar em versos
o que me ultrapassa enquanto gente.

3 comentários:

Bárbara disse...

Adorei o poema e também gostei do novo layout do blog!
Parabéns tá show!
Beeijo =)

Rayanne disse...

**lindo**

**Saudade do Moa e da Paty....

snifs, passeando de braços dados na Paulista...

*suspiro

**Estrelas**

Aline disse...

adorei \o/


=*