quinta-feira, dezembro 07, 2006

...análises, análises... aristóteles maldito!

por Solange Marques



Nenhum símbolo me comove. – os símbolos abarrotaram este mundo!
Nenhum, nenhum! Símbolo nenhum!

Ah, nenhum!

Nenhum é palavra completa demais para existir,

completa de falta, completa de nada...

É palavra total, totalizante em sua ausência de seres...
ausência de ser, de se saber a si
Além de tudo, é palavra! - como tudo isto que se vê aqui
E, como palavra, também é símbolo!
Nenhum é um símbolo que busca a comoção pelo vazio, pelo negaceio, pela privação...
É estratagema da linguagem para comover o ser,
seja eu, seja você. – a palavra...


Nada, nada!
Não!
Nenhum símbolo me comove, nenhum! Nenhum!



Um dia, em meio a nossos diálogos filosóficos, eu comentei:
- Acho que nunca conseguiria escrever assim... Destrinchar meus sentimentos, idéias e outras coisas no papel, como você faz...

E ela disse:
- Pois eu acho, sinceramente, que conseguiria!

Acho que ainda não consigo... Como ela faz, ainda não... Mas costumo dizer que, se hoje eu escrevo, ela tem muita culpa nisso! Por ter me convencido, um dia, de que eu era capaz de fazê-lo.


Pra Semana de Convidados deste mês, convido Solange Marques! Grande amiga, grande escritora... Muitas idéias doidas e filosofias-de-porra-nenhuma já troquei com esta mulher...

E é ela a culpada! Se hoje eu escrevo, a culpa é dela! =P


Para conhecer mais dos escritos dela, visitem:

http://n-a-d-a.blogspot.com
(Tá meio desatualizado... Mas vale a pena dar uma boa fuçada!)

http://www.recantodasletras.com.br/autor_textos.php?id=8585

Apreciem, meus caros!

Abraços!

6 comentários:

moacircaetano disse...

Muito boa a poesia!
Vou ali dar uma viajada pelos endereços dela!

Múcio Góes disse...

Humm... filosofia em versos bem traçados. Muito bom!

Parabens aos dois!

visitarei!

:)

[]´s

Mary disse...

Gostei muito!

Bjus aos dois! :)

Nanna disse...

Virei fã!

Beijos aos montes nos dois...
:))

André Lasak disse...

Boa pedida, Fejones!

Abração pra você e beijão pra Solange!

Leandro Jardim disse...

nenhuma
palavra sem surpresa
ingeri desta mesa
farta
de filosofopoesia
uma graça!


Grande dupla!

abraços Jardinolônios