quarta-feira, dezembro 20, 2006

Desejei muito, always.

um beijo que não provei
um e-mail que não recebi
um amor que não construi
um filho que não aconteceu
um sonho que não esqueci

[Percebi que o meu tempo
é diferente do d'Ele...]

10 comentários:

Juliana Marchioretto disse...

acho que todo mundo, em algum momento da vida, já passou por isso.. sonhar com tudo e não ver, efetivamente, nada..

beijo

Múcio Góes disse...

eu sou craque nisso.


bjsss

Ana Paula Russi disse...

rs...
pintaste um triste retrato meu, também.
Abraço ansioso (!)
que ainda não provei...
AP

Eu* disse...

Vivo percebendo isso...

Juliana Pestana disse...

pq a gente sempre deseja mais do que podemos ter...
e assim segue a vida!

moacircaetano disse...

Einsten já avisava...
o tempo é relativo!
mas o amor (que pena(?))
esse é absoluto!

Aline disse...

Amiga canceriana,

Como as ausências nos inspiram né?!

LINDO!

bjão.

Sandra Regina de Souza disse...

Menina!! como vc conseguiu dizer isso tão bem!!! Poema esse em que me vejo refletida...rs... ai..que saudade!!..rsrsrs... bjos

Leandro Jardim disse...

Caraca, muito bom!!!!

Fui no seu blog e li seu post de natal (mas não consegui comentar lá) e adorei... como vc conseguiu? também um presente desses!!! hehehe

Jefferson de Souza disse...

Nanna, como vc ainda ñ colocou o escrito de hj, deixo comment no da semana passada! (Até pq eu não o havia comentado ainda...)

Tem essas certas coisas no mundo que, pra se concretizarem, precisam não só da nossa vontade, mas da vontade do outro...

[E o tempo que conta é só o d'Ele!
Melhor sincronizar...]