quarta-feira, novembro 26, 2008

c'est mon plaisir

apaixono-me pelo teu intelecto
não pelo teu sexo
não pelo teu cheiro
nem pela tua pele plena
quero os livros que tens na cabeça
lê-los
folheá-los
um após o outro
e deixar-te entreaberto
e esperar
vegetativamente
pelo o que brota dessa tua boca morta
vez por outra, horta
de nossos infelizes e pueris
prazeres infantis.

10 comentários:

Pavitra disse...


cheguei a me reconhecer nesse poema! rs

tô adorando essas cabeças!

mari disse...

tout ce que vous dites est juste très jolie!

G. M. disse...

c'est moi... moi-même...

J.F. de Souza disse...

Queria poder traduzí-lo... Só pra poder dizer que o absorvi... E que pude extrair algo dele... E, assim, devolvê-lo em outra forma...

Só sei dizer que gostei muito desse!

=)


=*

Cosmunicando disse...

demais, isso ficou simplesmente demais =)

Sandra Regina de Souza disse...

Très bien!! Lindo isso, menina!! (E por motivos tão pessoais neste momento era tudo o que gostaria de escrever!!! Vc me acertou!!!)

moacircaetano disse...

maravilhoso, amor... maravilhoso!

Alex Pinheiro disse...

Caraaaaaaaaaaaacas,,, muito bom!
Da paixão pelo intelecto que orgasma às palavras e inflama o útero com sabedoria.

Mágico!

Bjs e geniais invenções!

alma na garganta disse...

vindo de ti, sempre exato.
façamos mais parte uma da vida da outra...
bo.

Mary disse...

apaixonei por este, alhi! (L)

:*