quinta-feira, novembro 06, 2008

poemeu

não creia
em tudo o que eu digo

eu sou
o joio do seu trigo

o cocô
do cavalo do bandido

não creia
na minha crença

mesmo
que ela te convença

afaste-se
do seu maior perigo

só meu âmago
é meu amigo

8 comentários:

mari disse...

muito
muito
bão.

Jake disse...

AHHHHHHHHH

"Arrasando-se-me"

Bjo

J.F. de Souza disse...

Fico embasbacado, master Mucius, com tuas obras...

Escrito tão singelo...
Sim, singelo. (Sem gelo?)
Mas lúdico e lírico, como de costume!

Inveja de querer escrever assim... =P


1[]!

Alex Pinheiro disse...

Opa! Desculpaí, então! rs

Abraços e céticas invenções!

moacircaetano disse...

Ah, neeeemmmmm!!!!!!!!
Pode tratar de desescrever esse poema, pois esse eu é que quero fazer!!!!!!!!!
Perfeito!

Sandra Regina de Souza disse...

Sempre indiscutivelmente bem elaborado... meu poeta de verdade!!! Bj

A czarina das quinquilharias disse...

grand finale!

Mary disse...

mumu! esse é daqueles de falar palavrão! perfeito!!!

bjuss