sábado, novembro 22, 2008

Etílico

Pra esquecer
a distância
cerveja vinho rum

E depois
pra morrer
só soltar um pum

6 comentários:

Mary disse...

Uau, que jogo de bebidas! E que final apoteótico!

hahahahahaha

Eu teria escrito, se estivesse bêbada! :D

Beijosss!

J.F. de Souza disse...

Huhauahuahuahuahuahuhauhauhuahuahuahuahuahuahua...


Grande Moa!!! Esse tá DAHORA!!!

Afinal, vamo tudo fedê igual quando morrer, já diria meu sábio pai... =)


1[]!

Sandra Regina de Souza disse...

o que a bebida não faz!!?...rsrsrs...

Marrí Franco disse...

é fogo...


rs

aline disse...

acho que beberam no mesmo balcão, vc e moa.

:p

(L)

aline disse...

viu!

acabei me confundindo :S

pensei que fosse o poema de ma

culpa do etílico!