domingo, abril 01, 2007

(nada)*

As águas como as mágoas
Passeiam pelas anáguas
Das moças da cidade
Que vertem seus olhos
Aos rios que nela deságuam
As águas como as anáguas
Entregam-se aos igarapés
Encharcam-se de mundo
Mergulham até o fundo
Pra voltar à tona
Secam.
As mágoas e as anáguas
Apertam as carnes
Sufocam a alma
Por-que tudo que queriam
Era não existir.

Larissa Marques

* Este poema abre o capítulo "(nada)" do livro "Entre o negro e o nada" da excelente escritora e amiga Larissa Marques. Sábado passado tive a alegria de comparecer ao seu lançamento na Casa Das Rosas em São Paulo e conhecer pessoalmente essa moça de palavras de tanta força.
Conforme diz a divulgação da obra, que recomendo aqui, "é um relato frenético, de desventuras reais ou não, sob um olhar existencialista."
Além disso é criadora da zine poética Bagaceira que tive o prazer de participar e de muitos outros agitos que os interessados poderão descobrir em:

Site Oficial Larissa Marques
bagaceira
Calamidade Visceral
Caleidoscópios
Dialética do Frenesi
Between black and nil
Coluna no Fotoclube/508
Coluna Rádio Pop Mix
Manufatura
Na cozinha com a Vovó
Usina das Palavras

10 comentários:

Larissa Marques disse...

Obrigada, meu querido! A satisfação é toda minha! Beijo grande e prazer enorme conhecê-lo pessoalmente, já que sua essência conheço há tempos!
Larissa Marques.

moacircaetano disse...

belo, muito belo!
parabéns, Jardim, pela escolha sempre certeira!

Augusto Sapienza disse...

Adoro essa moça e o livro dela também...
"Existem alguns tipos de mares, vejo muitos cultivarem os de lágrimas dentro de si para
afogarem-se ou para tornarem-se ilhas... Bem, tenho mais (a)finidade ao lavar o (i)mundo, com os de suor..."
Beijão Lari...

Mary disse...

Gosto muito da poesia da Larissa!

Parabéns Jardim pela escolha.

Beijos aos dois! :)

Ácido Poético disse...

Maravilhoso, e olha que é postagem em primeiro de abril, hein?
Parabéns Larissa!

Rita-medusa insana disse...

Larissa é uma grande amiga e escritora......também tive o prazer de conhece-la no mesmo dia, na Casa das Rosas.Seu livro é poderoso desde o ínicio e nos convida a um mergulho ao qual sabemos que não sairemos os mesmos..............deste poema me identifico e gosto mais do trecho:
"As mágoas e as anáguas
Apertam as carnes
Sufocam a alma
Por-que tudo que queriam
Era não existir.'
muito lindo
Parabéns ao belo blog tb,está adicionado aos meus favoritos!
bjos

Aline disse...

Perfeita escolha.
Já conhecia o trabalho de Larissa, gosto muito!

Beijos pros dois :D

Juliana Pestana disse...

Boa demais essa revelação. Mas a Clarissa é muito forte para ler só esses versos. E a sua apresentação foi belíssima.

Bjos pros dois.
^.^

Larissa Marques disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Múcio Góes disse...

Ah Larissa... muito bom este poema, já conhecia! e sempre bom rever/ler bons poemas!


belo.

bjsss